segunda-feira, 30 de setembro de 2013

Normas para o transporte do caranguejo-uçá

Forma errado de transporte de caranguejo-uçá. 

O Ministério da Pesca e Aquicultura, através do Ministro Marcelo Crivella, publicou Instrução Normativa determinando normas e padrões para o transporte do caranguejo-Uçá, Ucides cordatus, nos estados do Pará, Maranhão, Piauí e Ceará. 

Eis a integra da Instrução:


O MINISTRO DE ESTADO DA PESCA E AQUICULTURA, no uso de suas atribuições, e tendo em vista o disposto na Lei nº 10.683, de 28 de maio de 2003, bem como o disposto na Lei 11.959, de 29 de junho de 2009, e no Decreto nº 6.981, de 13 de outubro de 2009, e o que consta no processo nº 02001.004135/2008-25 e nº 00350.004708/2012-1 resolve:

Art. 1º Estabelecer normas de acondicionamento para fins de transporte terrestre e aquaviário de carga viva de indivíduos de caranguejo- uçá , Ucides cordatus, nos Estados do Pará, Maranhão, Piauí e Ceará.

Art. 2º Permitir o transporte de espécimes de caranguejo-uçá vivos, considerando os seguintes critérios:
I - as pessoas físicas ou jurídicas devem estar inscritas no Cadastro Técnico Federal do IBAMA, para transporte de espécimes de caranguejo-uçá vivos;
II - as pessoas físicas ou jurídicas devem se enquadrar no disposto no inciso I deste artigo e devem estar acompanhadas de documento de comprovação de origem do produto;
III - os espécimes de caranguejo-uçá devem estar acondicionados desamarrados da seguinte forma:
a) quando em transporte terrestre: em caixas plásticas vazadas, forradas com espuma de acolchoamento embebida em água, conforme modelo descrito no anexo desta norma;
b) quando em transporte aquaviário: acondicionados em caixas plásticas vazadas, sacos, paneiros, peras ou acomodações que garantam a sobrevivência dos espécimes.
Parágrafo único. Após o descarregamento, as caixas e as espumas de acolchamento devem ser lavadas e higienizadas.

Art. 3° Os espécimes de caranguejo-uçá apreendidos vivos pela fiscalização quando transportados em desacordo com as normas estabelecidas nesta Instrução Normativa, deverão ser liberados no seu habitat natural, preferencialmente no local aonde foram coletados, respeitando-se o disposto no art. 107, inciso I, do Decreto nº 6.514 de 22 de julho de 2008. 

Art. 4° Aos infratores da presente Instrução Normativa serão aplicadas as penalidades previstas na Lei nº 9.605, de 12 de fevereiro 1998 e no Decreto nº 6.514, de 23 de julho de 2008.

Art. 5º Esta Instrução Normativa entra em vigor 180 (cento e oitenta) dias após a sua publicação.

MARCELO CRIVELLA

IV Congresso Latino-Americano de Biotecnologia de Algas & Workshop Rede Nacional de Biotecnologia de Algas Marinhas




O Evento, que ocorrerá em Florianópolis, de 18-22 de novembro de 2013, está sendo configurado para propiciar forte interação e integração entre estudantes, especialistas, mestres e doutores dos diversos segmentos da biotecnologia ligada a algas marinhas e de água doce. Por conta de sua natureza interdisciplinar oferece oportunidades para profissionais das mais diferentes áreas como Engenharia de Aquicultura, Botânica, Engenharia Ambiental, entre outras.
Cerca de 500 congressistas estão sendo esperados em Florianópolis, em um evento que tratará de diferentes questões relacionadas à conservação da natureza, biodiversidade, uso sustentável e mercado de trabalho, sob a ótica do ensino, pesquisa e extensão, ampliando a participação, integração e discussão dos diversos grupos de pesquisa interessados neste contexto e em contribuir com o desenvolvimento científico do país.
A Universidade Federal de Santa Catarina, a EPAGRI, o Instituto Federal de Santa Catarina e a Universidade Estadual de Santa Catarina, assim como as demais instituições parceiras que estão oferecendo apoio ao evento, têm amplo histórico na área de Biotecnologia, oferecendo oportunidades diversas a estudantes de graduação e pós graduação para o aprimoramento de seu processo de formação profissional em diferentes áreas correlatas à biotecnologia, envolvendo direta ou indiretamente as algas.
Florianópolis por ser uma ilha, além das belas paisagens, entre outras atrações (ver mais detalhes em: http://www.florianopoliscvb.com.br/), oferece condições extraordinárias para se conhecer produtos e serviços que as algas fornecem de maneira muitas vezes incógnita, nos mais diferentes ecossistemas, tanto de água doce quanto marinhos. O Hotel Praiatur (http://www.praiatursc.com.br), sede do evento, assim como a estrutura hoteleira da Praia do Ingleses, assim como os restaurantes, supermercados, oferecem condições diversificadas e de qualidade para a hospedagem no norte da famosa Ilha da Magia, o que deve garantir o pleno aproveitamento do periodo em Florianópolis. Portanto, temos a convicção que todos irão aproveitar de maneira muito produtiva a semana de 18-22 de novembro, e que bons ventos tragam as melhores oportunidades para todos.

Brasil conhece o seu primeiro censo aquícola


Fonte: MPA.GOV.BR

O que os piscicultores brasileiros estão cultivando? De que porte são os empreendimentos? Quais as tendências de mercado? Estas e outras perguntas sobre a produção aquícola brasileira estão sendo respondidas pelo Censo Aquícola de 2008. O censo - o primeiro desenvolvido no Brasil especialmente para este setor - acaba de ser disponibilizado para o público pelo Ministério da Pesca e Aquicultura (MPA).
Como uma fotografia, o censo registra da forma mais completa possível as atividades aquícolas e as suas interações socioeconômicas, considerando o número e o porte das unidades produtivas, o perfil dos produtores, bem como as espécies cultivadas e o detalhamento de toda a cadeia produtiva, incluindo os métodos de produção, as estruturas de cultivo (açude, viveiro, tanque-rede e canal de igarapé no Amazonas) e escoamento da produção. Todas as unidades de produção foram, também pela primeira vez, identificadas por georrefereciamento, ou seja, tiveram a sua exata localização conhecida.
“O Censo Aquícola Nacional é resultado de um trabalho inédito no país”,  recorda Américo Ribeiro Tunes, secretário de Monitoramento e Controle do MPA. “Pela primeira vez temos informações sobre a aquicultura com uma riqueza de detalhes que nos permitem saber exatamente quem são e onde estão os produtores aquícolas no Brasil, além de informações estratégicas sobre a cadeia produtiva, não só para o governo, mas para todo o setor”, afirma.

Instrumento de planejamento

Dedicado apenas a empreendimentos com finalidade comercial, o Censo Aquícola de 2008, mesmo com informações apuradas há mais tempo, se apresenta como um instrumento fundamental para a administração pública brasileira traçar políticas mais assertivas no fomento da aquicultura nacional. A publicação também é importante para o segmento empresarial conhecer melhor o mercado, assim como para pesquisadores e outros interessados. Aproximadamente 30 mil unidades de produção foram visitadas, das quais 19.494 consideradas, por terem objetivo comercial.
A coleta dos dados – desenvolvida pela Coordenação Geral de Monitoramento e Informações Pesqueiras do MPA - foi realizada em dois anos, entre outubro de 2009 a outubro de 2011. O trabalho mobilizou cinco coordenadores regionais, 28 coordenadores estaduais (no Amazonas foram 2 coordenadores) e 227 coletores de dados.
Foram identificados 15.469 produtores de pescado no continente, dos quais 13.495 de pequeno porte, 760 de médio porte e 33 de grande porte, além de mais de mil que não responderam a esse questionamento. Do universo de produtores, 8.855 criam tilápia, sendo 41% deles na região Sul, 31% na região Nordeste, 22% na região Sudeste, 3% na região Norte e 3% no Centro-Oeste.
Na área da maricultura foram registrados 1.585 produtores, dos quais 1.274 de pequeno porte, 183 de médio porte e 63 de grande porte, além de outros 65 que não responderam à pergunta.

Informações que surpreendem

Os dados para o Censo Aquícola de 2008 muitas vezes surpreenderam os coordenadores, como o achado de um tesouro. Assim, algumas informações, por serem  inusitadas, levaram os responsáveis a  novas checagens com a fonte para confirmação. Foram encontradas 62 espécies de peixes sendo cultivadas em água doce e 15 espécies de peixes na aquicultura marinha.
O trabalho registrou, por exemplo, uma grande quantidade de híbridos sendo cultivados no país, como tambacu (híbrido de tambaqui vs pacu), patinga (híbrido de pacu vs pirapitinga), tambatinga (híbrido de tambaqui vs pirapitinga) e jundiara (jundiá amazônico vs cachara). Também se verificou que na região Sul o cultivo de espécies nativas já estava bastante generalizado, apesar da tecnologia de cultivo ainda se encontrar em desenvolvimento. O levantamento mostrou que existem 537 criatórios de jundiá – peixe comum nos rios brasileiros – no Rio Grande do Sul e outros 481 em Santa Catarina. Em Goiás, a diversidade de espécies cultivadas foi maior que a imaginada. Os criatórios se dedicavam a peixes “redondos” – pacu, patinga, pirapitinga, tambacu  e tambaqui – e a outras espécies, como cachara e matrinxã. O robalo, peixe de água salgada e salobra, de carne branca e saborosa, também vem sendo criado no litoral de Santa Catarina, São Paulo, Rio de Janeiro, Paraná, Espírito Santo, Bahia e Rio Grande do Norte. Em alguns casos, o cultivo de robalo ocorreu, experimentalmente, em água doce. O cultivo de tarpão no Maranhão também é uma informação inédita, pois não havia registro do cultivo desta espécie no país. A apuração também verificou que criatórios de diversos estados abasteciam de pescado os pesque e pagues de São Paulo e Minas Gerais, tendo sido desenvolvido um serviço especializado no transporte de peixes vivos que termina por agregar valor ao produtor, proporcionando também grande diversidade de espécies nestes estabelecimentos. Por sua vez, o estudo revelou que 68% do cultivo de peixes ornamentais estavam concentrados em três estados (Minas Gerais, Rio de Janeiro e São Paulo).

Macroalgas

O Censo Aquícola de 2008 inovou ainda por identificar os produtores nacionais de macroalgas. O cultivo da alga marinha Gracilaria birdiae (Rhodophyta, Gracilariales) ocorreu no litoral do Ceará e do Rio Grande do Norte.  No litoral do Rio de Janeiro os produtores se dedicavam à espécie exótica Kappaphycus alvarezii (Rhodophyta, Soliariaceae). Estas algas vermelhas são importantes para as indústrias de extração de coloides como Carragenana e Agar.  As duas espécies de alga são vendidas geralmente secas e os seus derivados têm diferentes aplicações na indústria farmacêutica e alimentícia. Estes coloides são comumente encontrados em diversos produtos industrializados, atuando como agente espessante, estabilizante, gelificante e emulsificante. São empregados, por exemplo, em  gelatinas, geleias, carnes processadas, produtos derivados do leite, pasta de dente ou clarificante de cervejas.


XXIII Encontro Brasileiro de Malacologia e I Simpósio Latino-Americano de Jovens Taxonomistas


Caros colegas, profissionais e estudantes,
É com prazer que a Sociedade Brasileira de Malacologia (SBMa) convida a todos, estudantes, profissionais e colecionadores, a participar do XXIII Encontro Brasileiro de Malacologia, que será realizado entre os dias 22 a 26 de outubro de 2013 no Rio de Janeiro, na Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Campus Maracanã).
Neste ano contaremos também com o I Simpósio Latino-Americano de Jovens Taxonomistas, especialmente favorecendo o encontro de jovens malacólogos, taxonomistas estudantes, discutindo suas pesquisas, trocando ideias e metodologias. Em um cenário onde a descrição da biodiversidade é cada vez mais relevante, visando o atendimento de diversos campos da biologia básica e aplicada, estimular a formação de recursos humanos em sistemática e taxonomia é um dos objetivos do evento. Os dois eventos, concomitantes e complementares, serão grandes oportunidades para debates de temas da Malacologia em geral. Para atingir esses fins, contaremos com palestras plenárias, sessões de apresentações orais e sessões de painéis. O objetivo fundamental deste Congresso e do Simpósio será unir pesquisadores interessados em vários aspectos da Malacologia: Aquicultura e Pesca, Arqueologia, Biodiversidade, Biologia Celular e Molecular, Conquiliologia, Conservação, Ecologia, Ecotoxicologia, Educação e Ensino, Espécies ameaçadas, Espécies Exóticas, Filogenia, Fisiologia e Patologia, Genômica e Genética, Morfologia, Paleontologia, Parasitologia, Reprodução e Desenvolvimento, Sistemática, Taxonomia, entre outros temas correlatos.
O ano de 2013 foi definido pela Organização das Nações Unidas como Ano Internacional da Cooperação pela Água. As informações científicas produzidas por todos nós podem contribuir com subsídios para tomadas de decisões e planos de manejo, além de despertar a atenção para a preservação e sustentabilidade dos recursos naturais, especialmente aqueles vinculados à água, em nosso planeta. Venham enriquecer o diálogo entre pesquisadores, estudantes, representantes de universidades, órgãos ambientais governamentais e da iniciativa privada.
Contamos com sua presença em breve no Rio de Janeiro!
Atenciosamente,

Sonia Barbosa dos Santos
Presidente da Comissão Organizadora e Presidente da SBMa

I Congresso de Engenharia de Pesca de Rondônia - CONPESCA-RO




Site do Evento: CONPESCA-RO

O I Congresso Rondoniense de Engenharia de Pesca – CONPESCA-RO, será um evento promovido pela primeira vez, pelo curso de Graduação em Engenharia de Pesca e pelo Centro Acadêmico de Engenharia de Pesca da Universidade Federal de Rondônia Campus Presidente Médici.


 A 1ª edição está programada para o período de 03 a 06 de dezembro de 2013.

O evento possui os seguintes objetivos:

  • Promover um espaço de debate e troca de experiências e conhecimentos entre acadêmicos, profissionais e palestrantes.
  • Interação entre os participantes das diferentes regiões de Rondônia e do Brasil.
  • Incentivar a atividade de pesquisa e extensão dos acadêmicos da área de Engenharia de Pesca. 

Os discentes do curso de Engenharia de Pesca de Rondônia estão de parabens pela organização e clareza do evento e informações a respeito do mesmo que estão divulgados no site oficial do Congresso (http://conpescaro.wordpress.com/). O CAEP-UFPA deseja sucesso a 1ª edição do Congresso de Engenharia de Pesca de Rondônia - CONPESCA-RO.

domingo, 29 de setembro de 2013

Espécie pré-histórica de peixe seria a mais antiga criatura com face

Ilustração sugere como seria o peixe 'Entelognathus primordialis' (Foto: Divulgação/Brian Choo)



Recém-descoberto, o 'Entelognathus primordialis' viveu há mais de 400 milhões de anos na China. Seus ossos faciais podem ser as raízes da mandíbula moderna

Cientistas descobriram fósseis de um peixe que dizem ser a primeira criatura terrestre a possuir o que pode ser reconhecido como uma face.  Entelognathus primordialis é uma espécie pré-histórica que viveu há cerca de 419 milhões de anos nos mares da China. A descoberta foi publicada nesta quarta-feira (25) no periódico científico Nature.

O peixe é o mais antigo animal conhecido a ter ossos da face e da mandíbula comparáveis às dos peixes ósseos e dos animais terrestres de hoje, incluindo os seres humanos. Segundo os cientistas, o animal tinha boca grande, testa baixa e plana e olhos pequenos e quase imóveis. Pertencia à extinta classe dos placodermos.

Pesquisadores da Academia Chinesa de Ciências, coordenados pelo cientista Min Zhu, encontraram os fósseis em uma reserva na província de Yunnan, na China. Não pareciam ossos muito diferentes, até serem levados para o laboratório e terem recebido uma limpeza. Logo a incrível preservação dos ossos faciais ficou evidente.

Segundo cientistas, antes de os peixes terem a face como as das espécies modernas, eles possuíam aparência muito incomum. Alguns peixes sem mandíbula tinham cabeças largas em formato de pá, com olhos voltados para cima. Outros tinham corpos estreitos e um olho em cada lado da cabeça. Peixes sem mandíbula existem até hoje, como as enguias.

O detalhe dos fósseis da espécie 'Entelognathus primordialis' (Foto: Divulgação/Zhu, M. et al. Nature)

A nova descoberta pode ajudar a elucidar existência da mandíbula dos peixes, um mistério para a ciência há anos. Os pesquisadores suspeitam que ancestrais do Entelognathus primordialis tenham se afastado do fundo do mar e, lá, mandíbulas podem ter sido úteis para capturar presas maiores e mais rápidas.

Por outro lado, Brian Choo, um dos autores da pesquisa, acredita que as mandíbulas podem ter surgido inicialmente pela respiração, como um aparelho para controlar o fluxo de água através das guelras.

De qualquer forma, a pesquisa sugere agora que ossos do crânio e da face humana, assim como nossa clavícula, podem ter derivado dos antigos ossos dos placodermos, classe do recém-descoberto peixe pré-histórico.

Maricultores de Caraguatatuba protestam contra prejuízos causados por vazamento de óleo

Fonte: www.rogeriosilveira.jor.br


Fonte: Centro de Comunicação do Instituto de Pesca, Set/2013 (www.pesca.sp.gov.br)

MARICULTORES da Associação dos Pescadores e Maricultores da Praia da Cocanha (MAPEC), Caraguatatuba (SP), estão fazendo manifestações, através de faixas afixadas em frente à sede da Associação, protestando contra a omissão da Petrobrás/Transpetro em reparar os prejuízos causados por empresas por conta do vazamento de óleo ocorrido em abril deste ano, que atingiu, além da fazenda de mexilhões localizada na Praia da Cocanha, diversas outras praias, manguezais e costões rochosos dos municípios de São Sebastião e Caraguatatuba.

Segundo Helcio Luis de Almeida Marques, helcio@pesca.sp.gov.br, pesquisador científico do Instituto de Pesca (da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo), que desenvolve pesquisas científicas na referida fazenda, os maricultores estão sem trabalhar desde o dia 5 de abril, quando o local foi atingido por mancha de óleo, contaminando os mexilhões e tornando-os impróprios para consumo. Quase seis meses depois, a Petrobrás/Transpetro ainda não atendeu às solicitações dos maricultores no sentido de reparar os prejuízos causados pelo acidente.

Diversas famílias de maricultores associados dependem direta ou indiretamente da produção de mexilhões e, no momento, estão sobrevivendo graças à ajuda emergencial proporcionada pela Prefeitura de Caraguatatuba, que está oferecendo um auxílio mensal aos maricultores, que, no entanto, terminará em dezembro. Depois disso, ninguém sabe ao certo como ficará a situação dessas famílias.

“As atividades normais da fazenda só serão retomadas após a completa substituição das estruturas de cultivo existentes (long-lines, redes de cultivo) e nova captação de ´sementes´ para dar início a um novo ciclo de cultivo. Na hipótese mais otimista, apenas no final de 2014 os maricultores poderiam retomar a venda de mexilhões e, ainda assim, de forma precária, havendo necessidade de reconstruir toda a cadeia de comercialização dos mexilhões, totalmente desarticulada com a paralisação das vendas, o que poderá levar anos”, complementa o pesquisador.

Revisão do texto: Márcia Navarro Cipólli, navarro98@gmail.com

Resposta a consulta da Federação Nacional dos Engenheiros de Pesca do Brasil sobre atribuições profissionais dos Engenheiros de Pesca

Olá acadêmicos e profissionais da Engenharia de Pesca segue abaixo texto referente a resposta a consulta realizada pela Federação Nacional dos Engenheiros de Pesca do Brasil (FAEP-BR) sobre as atribuições profissionais dos Engenheiros de Pesca com o objetivo de por fim à polêmica geral sobre as atribuições de nossa classe frente a outras áreas correlatas. 


Ref. SESSÃO: Sessão Plenária Ordinária 1.402
Decisão Nº: PL-1243/2013
Referência: PT CF-1454/2013 e CF-2522/2013
Interessado: Federação Nacional dos Engenheiros de Pesca do Brasil – FAEP-BR

Ementa: Responde a consulta da Federação Nacional dos Engenheiros de Pesca do Brasil sobre atribuições profissionais dos engenheiros de pesca.
O Plenário do Confea, reunido em Brasília no período de 28 a 30 de agosto de 2013, apreciando a Deliberação nº 512/2013-CEAP, que trata de consulta encaminhada ao Confea pela Federação Nacional dos Engenheiros de Pesca do Brasil – FAEP-BR, datada de 11 de abril de 2013, solicitando que o Confea emita parecer técnico acerca das qualificações que os profissionais Engenheiros de Pesca detêm, de forma a dirimir muitas dúvidas e divergências sobre quais as reais atividades que estes estão aptos a desempenhar, e considerando que  a Federação Nacional dos Engenheiros de Pesca do Brasil – FAEP-BR se mostra irresignada com o tratamento e a desqualificação profissional que os Engenheiros de Pesca viriam recebendo de alguns setores e por algumas Associações Profissionais, principalmente a Associação Brasileira de Zootecnistas - ABZ, solicitando a este Federal manifestação sobre o assunto, baseando-se nas qualificações profissionais que o próprio Sistema Confea/Crea concedeu, por meio de suas resoluções, pondo fim à polêmica; considerando que as Resoluções nº 218/73 e 279/83 se complementam, discriminando as atividades profissionais do Engenheiro de Pesca; considerando que o art. 1º da Resolução nº 279/83 estabelece: “Art. 1º - Compete ao Engenheiro de Pesca o desempenho das atividades 01 a 18 do Art. 1º da Resolução nº 218, do CONFEA, de 29 JUN 1973, no referente ao aproveitamento dos recursos naturais aquícolas, a cultura e utilização da riqueza biológica dos mares, ambientes estuarinos, lagos e cursos d'água; a pesca e o beneficiamento do pescado, seus serviços afins e correlatos”; considerando que o art. 1º da Resolução nº 218/73 estabelece, dentre outras atividades: “Art. 1º - Para efeito de fiscalização do exercício profissional correspondente às diferentes modalidades da Engenharia, Arquitetura e Agronomia em nível superior e em nível médio, ficam designadas as seguintes atividades: Atividade 07 - Desempenho de cargo e função técnica; e Atividade 08 - Ensino, pesquisa, análise, experimentação, ensaio e divulgação técnica; extensão”; considerando que a Resolução nº 5, de 2 de fevereiro de 2006, do Conselho Nacional de Educação, “Institui as Diretrizes Curriculares para o curso de graduação em Engenharia de Pesca e dá outras providências” e, em seu art. 6º, apresenta dentre outras competências e habilidades: “d) conhecer a biodiversidade dos ecossistemas aquáticos, visando à aplicação biotecnológica; e) planejar, gerenciar, construir e administrar obras que envolvam o cultivo de organismos aquáticos; f) desenvolver atividades de manejo e exploração sustentável de organismos aquáticos; g) utilizar técnicas de cultivo, nutrição, melhoramento genético para a produção de organismos aquáticos; h) supervisionar e operacionalizar sistemas de produção aquícola”; considerando que a Lei nº 5.550/68 “Dispões sobre o exercício da profissão de Zootecnista” e não restringe nem cita que cabe ao profissional Zootecnista a exclusividade da produção animal, conforme alega a ABZ, em seu Ofício nº 032-ABZ/12 à Reitoria da Universidade Federal Rural de Pernambuco; considerando que pela diretriz curricular do curso de Engenharia de Pesca os egressos poderão atuar nas mais diversas atividades envolvendo sistemas aquáticos; considerando que as alegações feitas pela ABZ ao afirmar que os Engenheiros de Pesca não veem determinadas matérias afetas, segundo a associação, aos profissionais Zootecnistas (fisiologia; microbiologia; zoologia; ecologia; etologia; anatomia; bromatologia; nutrição e alimentação animal; bioquímica; físico-química; melhoramento genético) não condiz, de forma plena, com a realidade, haja vista que em pesquisa ao site de algumas instituições, que ofertam tal curso, foram observadas essas mesmas disciplinas que a ABZ outrora refutou aos Engenheiros de Pesca, demonstrando aquilo que parece ser uma tentativa de reserva mercadológica e intelectual por parte de uma “categoria” profissional sobre outra; considerando que, a título de mero exemplo, analisando-se o que consta no edital nº 01, de 18 de maio de 2012, para professor do ensino básico, técnico e tecnológico do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Acre - IFAC apresentado nos autos, entende-se que não se encontra qualquer óbice à participação dos profissionais Engenheiros de Pesca no certame ora mencionado, haja vista que os profissionais Engenheiros de Pesca, com atribuições da Resolução nº 279, de 1983, estão aptos, de forma genérica, a desempenhar essas atividades de docência; considerando que, atendo-se à consulta da FAEP-BR, e baseando-se nas Resoluções nº 279, de 1983, e na Resolução CNE nº 5, de 2 de fevereiro de 2006, os Engenheiros de Pesca devidamente registrados com base naquela resolução tem atribuições para aproveitamento dos recursos naturais aquícolas, a cultura e utilização da riqueza biológica dos mares, ambientes estuarinos, lagos e cursos d'água; a pesca e o beneficiamento do pescado, seus serviços afins e correlatos, podendo realizar todas as atividades relacionadas no art. 1º da Resolução nº 218, de 1973, DECIDIU, por unanimidade, responder à consulta da FAEP informando que os Engenheiros de Pesca devidamente registrados com base na Resolução nº 279, de 1983, têm atribuições para aproveitamento dos recursos naturais aquícolas, cultura e utilização da riqueza biológica dos mares, ambientes estuarinos, lagos e cursos d'água; a pesca e beneficiamento do pescado, seus serviços afins e correlatos, podendo realizar todas as atividades relacionadas no art. 1º da Resolução nº 218, de 1973, salvo alguma restrição que o Regional de origem lhe tenha imposto. Presidiu a sessão o Vice-Presidente JULIO FIALKOSKI. Presentes os senhores Conselheiros Federais ANA CONSTANTINA OLIVEIRA SARMENTO DE AZEVEDO, ARCILEY ALVES PINHEIRO, DARLENE LEITAO E SILVA, DIRSON ARTUR FREITAG, DIXON GOMES AFONSO, FRANCISCO JOSE TEIXEIRA COELHO LADAGA, GUSTAVO JOSÉ CARDOSO BRAZ, JOSE GERALDO DE VASCONCELLOS BARACUHY, MARCOS VINICIUS SANTIAGO SILVA, MELVIS BARRIOS JUNIOR e WALTER LOGATTI FILHO.

Cientifique-se e cumpra-se.

Brasília, 04 de setembro de 2013.

Eng. Civ. José Tadeu da Silva
Presidente

quinta-feira, 12 de setembro de 2013

III SEMINIC do Campus de Bragança/UFPA


O seminário de iniciação científica da UFPA (SIMINIC) é um evento amplo que envolve todos os trabalhos de pesquisas do PIBIC desenvolvidos na Universidade Federal do Pará – UFPA, ocorrendo à apresentação de seminários nos diversos campis da UFPA. Esse ano estará ocorrendo a 3° edição do Seminário de Iniciação Cientifica do Campus de Bragança/UFPA, sendo um importante evento que objetiva expor os trabalhos que estão sendo desenvolvidos no Campus de Bragança, e esse ano será a segunda vez que a organização do SEMINIC em Bragança abre o espaço para os demais discentes bolsistas de outros programas de fomento e estudantes não bolsistas que estejam desenvolvendo trabalhos de pesquisa a apresentarem também seus estudos.

O III SEMINIC em Bragança estará ocorrendo nos dias 26 e 27 de setembro de 2013 no campus de Bragança/UFPA, contamos com a participação de toda a comunidade acadêmica do campus e estendemos o convite para pessoas externas à universidade que esteja interessada em conhecer os estudos científicos desenvolvidos na UFPA. 


Informações gerais do XXIV Seminário de Iniciação Científica da UFPA (SEMINIC)


Informamos aos bolsistas e orientadores do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica (PIBIC) que está disponível para consulta a Programação do XXIV Seminário de Iniciação Científica da UFPA (SEMINIC). A apresentação oral dos alunos no SEMINIC faz parte do cronograma anual de atividades do PIBIC e tem por objetivo divulgar os resultados dos trabalhos desenvolvidos pelos bolsistas durante o período vigência da bolsa. Neste ano, serão apresentados os resultados dos trabalhos de todos os bolsistas do período de agosto de 2012 a julho de 2013. Cada bolsista terá o tempo de 15 minutos para a apresentação, que será avaliada por um consultor ad hoc e um avaliador interno. 



PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA- PIBIC


OBJETIVOS

  • Despertar vocação científica e incentivar novos talentos potenciais entre estudantes de graduação.
  • Contribuir para reduzir o tempo médio de titulação de mestres e doutores.
  • Propiciar à instituição um instrumento de formulação de política de iniciação à pesquisa para alunos de graduação.
  • Estimular uma maior articulação entre a graduação e pós-graduação.
  • Contribuir para a formação de recursos humanos para a pesquisa.
  • Contribuir de forma decisiva para reduzir o tempo médio de permanência dos alunos na pós-graduação.
  • Estimular pesquisadores produtivos a envolverem alunos de graduação nas atividades científica, tecnológica e artística-cultural.
  • Proporcionar ao bolsista, orientado por pesquisador qualificado, a aprendizagem de técnicas e métodos de pesquisa, bem como estimular o desenvolvimento do pensar cientificamente e da criatividade, decorrentes das condições criadas pelo confronto direto com os problemas de pesquisa.


Fonte: CNPQ

quarta-feira, 11 de setembro de 2013

Merenda escolar incentiva os alunos a consumirem peixe



Os 1,3 milhão de alunos da rede estadual de educação comem peixe na merenda escolar, duas vezes por semana, em semanas alternadas. As 2.148 escolas do Estado recebem filés de tilápia e empanados de peixe congelados que são incluídos no cardápio dos alunos. O Governo do Paraná já investiu R$ 4,1 milhões na compra de freezers e refrigeradores para equipar todas as escolas do Paraná. 

Os novos equipamentos permitem armazenar adequadamente peixes e derivados de carne para completarem o cardápio das merendas nas escolas. O consumo de pescado nas escolas estaduais acontece desde 1989, mas antes eram utilizados enlatados. Desde o início deste ano, com a aquisição dos freezers todas as escolas da rede recebem peixes congelados. 

De acordo com a nutricionista Fernanda Brzezinski da Cunha, da Secretaria de Estado da Educação, o consumo de peixe traz muitos benefícios para os alunos. “O alimento é rico em ferro, fósforo, cálcio e proteínas”, disse. 

A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda que as pessoas comam peixes pelo menos duas vezes por semana. No Brasil, a média de consumo é de 10 quilos por ano. Pela recomendação da OMS deveriam ser 12 quilos por ano. “Incluímos a opção de peixe na merenda, pois a escola também é uma formadora de hábitos alimentares saudáveis. Recebemos o retorno das cozinheiras que os alunos gostam de consumir o peixe”, explicou a nutricionista Fernanda Brzezinski. 

No Colégio Estadual Prieto Martinez, no bairro Bom Retiro, em Curitiba, quando tem peixe no cardápio do dia os alunos chegam a repetir o prato. “Sempre como peixe quando tem na escola, gosto muito. Dizem que o peixe é bom para o cérebro e o sabor é bom. Como em casa também” disse o aluno Paulo Augusto, 12 anos, do 8º ano, antes de dar uma boa garfada no filé de tilápia ao molho. 


A receita da cozinheira Márcia Racoski é sucesso entre os alunos. “Eu descongelo o peixe de um dia para o outro, tempero previamente e faço grelhado no forno. Depois, coloco o molho. As crianças gostam bastante”, disse Márcia. 


Fotos: HEDESON ALVES

terça-feira, 10 de setembro de 2013

V FeiVest - Campus de Bragança/UFPA


Olá candidatos ao vestibular 2014, o Campus Universitário de Bragança/UFPA estará realizando no dia 26 de Setembro de 2013 a 5° edição da Feira do Vestibular, tendo inicio às 9h até as 18h, contando com a participação de estudantes e professores dos cursos ofertados no Campus, onde o vestibulando terá a oportunidade de conhecer os cursos, tirando duvidas sobre o mercado de trabalho, área de atuação, grade curricular, estrutura do curso, etc. diretamente com os estudantes expositores do curso, além dos aulões que ocorrerão no Teatro da Marujuda.

A exposição dos cursos ocorrerá na Praça do Coreto (Praça Antônio Pereira), contanto com a exposição dos  seguintes cursos:


CURSOS REGULARES

1.       Ciências Biológicas;
2.      Ciências Naturais;
3.      Engenharia de Pesca;
4.      Historia;
5.      Letras Inglês;
6.      Letras Português;
7.      Matemática;
8.      Pedagogia.

CURSOS INTERVALARES

1.       Administração;
2.      Ciências Contábeis;
3.      Historia;
4.      Letras Português e Inglês;
5.      Matemática;
6.      Pedagogia;

7.      Turismo.


Engenharia de Pesca - aos estudantes interessados no curso de Engenharia de Pesca, no dia da Feira do Vestibular estaremos com uma otima equipe pronta para esclarecer as duvidas a cerca do curso de Engenharia de Pesca, mostrando ao vestibulando a área de atuação do profissional engenheiro de pesca, mercado de trabalho, grade curricular, quadro de professores, oportunidades de estágios, estrutura do curso, e muito mais. O candidato será totalmente esclarecido sobre esse maravilho curso que a cada dia está crescendo, oferecendo aos estudantes um ensino de qualidade. 

O estande de Engenharia de Pesca contará com  estrutura expositiva de bannes, materiais de uso na Engenharia de Pesca, folder aos candidatos, explicação oral e imagens do curso. Agradecemos o apoio do Instituto de Estudos Costeiro (IECOS), a Faculdade de Engenharia de Pesca (FEPESCA), aos estudantes expositores do Programa de Educação Tutorial (PET-PESCA) e ao Centro Acadêmico de  Engenharia de Pesca (CAEP/UFPA). 





Agradecemos o apoio que a Prefeitura tem dado ao curso de Engenharia de Pesca e por toda a contribuição que têm prestado no geral ao campus de Bragança/UFPA. 



Cadastro de colaboradores nos concursos e processos seletivos do ano de 2013 - UFPA




O Centro de Processos Seletivos (CEPS) informa que a partir das 10h do dia 11/09 às 18h do dia 16/09 estará aberto o Sistema Fiscal no site www.ceps.ufpa.br para formação de cadastro de colaboradores nos concursos e processos seletivos do ano de 2013.

Após o término das inscrições, o Sistema Fiscal somente será aberto novamente no ano de 2014 para uma nova atualização da base de colaboradores para os eventos do próximo ano.

Todas as solicitações de inscrição, realizadas dentro do prazo, serão acatadas. Este ano serão realizados sorteios para selecionar os colaboradores que irão trabalhar em cada evento, levando-se em consideração o número de vagas disponíveis pela Coordenadoria de Planejamento e Operações do CEPS.

Poderão requerer inscrição todos os alunos de graduação e servidores da UFPA cujos dados estejam inseridos na base de dados do CEPS, solicitados por meio dos memorandos Memo. nº 0283/2013/CEPS/UFPA ao CIAC e Memo. nº 0282/2013/CEPS/UFPA à PROGEP.

É obrigatório que todos os colaboradores possuam CPF e PIS ou PASEP ou NIT. O município onde o colaborador irá atuar será definido levando-se em consideração a cidade do curso (alunos) ou cidade de lotação (servidores).

A relação dos colaboradores sorteados, o local, data e hora da reunião serão divulgadas no site do CEPS. Caso não ocorra o total preenchimento das vagas destinadas aos servidores em cada evento, as remanescentes serão somadas às vagas de alunos.

Não será tolerada a ausência de colaboradores às reuniões agendadas por este CEPS. Os ausentes serão substituídos.

Alunos poderão escolher receber em sua CONTA CORRENTE ou diretamente no caixa de qualquer agência do Banco do Brasil, o recurso ficará disponível por 12 dias corridos após a liberação, mediante apresentação de RG e CPF. Servidores receberão por meio de contracheque. O valor do pagamento para fiscais é de R$ 92,40 (valor líquido).

CEPS/UFPA

segunda-feira, 9 de setembro de 2013

Lago da Grécia tem 10 toneladas de peixes mortos por falta de oxigênio

Fonte: G1 Globo, Set/2013 ( http://g1.globo.com)



Especialistas constataram que faltava oxigênio em partes do lago.
Houve suspeita de que pescadores tinham matado peixes com dinamite

Da AFP

Cerca de 10 toneladas de peixes mortos flutuavam nesta quinta-feira (5) no lago Ismarida, próximo da cidade de Komotini, na Grécia, a 800 km de Atenas. Especialistas descobriram que as mortes devem-se à falta de oxigênio em algumas partes do lago.

O chefe da equipe que gerencia o lago, Manos Koutrakis, disse que autoridades ficaram perplexas quanto à falta de oxigênio na água. Antes, havia sido levantada a possibilidade de que os peixes tinham sido mortos por pescadores com dinamite.


domingo, 8 de setembro de 2013

Maior industriário de pesca do país visita a Paraíba


O projeto de reabertura do terminal pesqueiro de Cabedelo despertou o interesse dos grandes industriários do país. Quem esteve nesta terça-feira (03) na Paraíba para oficializar sua disposição em investir foi o empresário catarinense Jorge Seif - do grupo JS Pescados - dono do maior terminal pesqueiro privado do país, instalado em Itajaí – SC.

Diante dos superintendentes federais da Pesca da Paraíba e do Rio Grande do Norte, Samuel Lemos e Abraão Junior, e do secretário executivo da pesca da Paraíba, Sales Dantas, o industriário destacou sua capacidade operacional como ‘portfólio’ do seu interesse de se instalar na cidade portuária. De acordo com o garantiu, parte de sua frota será transferida para o litoral paraibano, no intuito de fazer do Estado o maior extrator de atuns do país.

“A experiência de Jorge Seif nos deixa bastante animados. Os peixes que habitam na nossa costa estão morrendo de velhos, sem ter quem os pesque. Por aqui passam os maiores cardumes de atum e sardinha da costa brasileira e não estão sendo pescados”, relatou Lemos.

Quem também destacou como relevante o interesse de um empresário do porte de Jorge Seif no terminal de Cabedelo foi o secretário Sales Dantas, um dos responsáveis pelo projeto de reativação da estrutura.

“Demos um passo importante quando conquistamos a reativação do terminal. Mesmo com a pressão dos que torciam que não acontecesse, plantamos a ideia, regamos com suor e agora estamos colhendo os frutos. Provamos o tamanho da importância desse projeto quando um nome como Jorge Seif vem pessoalmente mostrar seu interesse em trabalhar no espaço”, comemorou Dantas.

O impacto econômico do acordo não refletiria apenas nas contas do governo, como explica Dantas, mas na economia local e principalmente no bolso dos pescadores. O pacto prevê a contratação de 500 profissionais da pesca, além de outras centenas que se beneficiariam indiretamente.

Ainda segundo Sales, o próximo passo do projeto de reabertura do terminal será conseguir as licenças para a pesca ‘de cerco’, que, junto a de ‘espinhel’, irá incrementar a pesca oceânica paraibana.

“O objetivo é ampliar o leque de atividades, proporcionando um terminal trabalhando nos três turnos”, detalhou Sales, destacando em seguida. “Tudo isso que conquistamos é fruto da união de forças, tendo como foco a sincronização das ações, de forma que o Estado definitivamente cresça na pesca”.


*Assessoria*

Coreia do Sul proíbe peixes da região japonesa de Fukushima

Fonte: AFP - Agence France-Presse - Publicação: 06/09/2013

A Coreia do Sul proibiu nesta sexta-feira (06/09) os peixes e mariscos procedentes da região japonesa de Fukushima e lamentou a falta de informações sobre os vazamentos de água radioativa da central nuclear.

"Todos os produtos do mar procedentes desta região serão proibidos, estejam contaminados ou não", anunciou o ministério de Oceanos e Pesca.

"A preocupação da população aumenta com o vazamento a cada dia de centenas de toneladas de água contaminada pelas radiações", afirma um comunicado, segundo o qual as "informações fornecidas pelo Japão não permitem saber como as coisas deve evoluir".

A situação do complexo nuclear destruído por um tsunami em 11 de março de 2011 voltou ao noticiário nas últimas semanas em consequência dos vazamentos ao mar de água radioativa, armazenada em depósitos da central.

O consumo de pescado e crustáceos na Coreia do Sul diminuiu consideravelmente. Seul já havia limitado a importação de produtos alimentícios procedentes de Fukushima e de outros sete municípios próximos.

O governo do Japão lamentou a decisão e afirmou que as normas de segurança alimentar são "rígidas, incluindo os produtos do mar, e se baseiam em normas internacionais".

Fukushima Daiichi abriga quase 400.000 toneladas de água contaminada com césio, estrôncio, trítio e outras substâncias radioativas, depositadas no subsolo ou armazenadas em mil tanques especiais.

Este volume aumenta cada dia em 400 toneladas.

Nesta sexta-feira, a Tokyo Electric Power (Tepco), operadora da central, anunciou que recolocou em posição mais segura um guindaste que havia reclinado sobre o reator 3.
O guindaste é utilizado para retirar os dejetos acumulados do reator 3, cujo edifício de proteção ficou parcialmente destruído em uma explosão de hidrogênio em março de 2011.